Pergunte ao seu filho seja sobrinho pequeno que já tem acesso ao computador e internet se por acaso ele gostaria de ficar um dia sem usar esse tipo de tecnologia.

Eu tenho certeza que ele não vai pensar muito para dizer não. Não porque ele é viciado em tecnologia ou internet, mas porque internet já faz parte do seu dia dos seus hábitos diários, assim como escovar os dentes e tomar banho.

Se para alguns de nós deixar de usar smartphone por um dia já um grande sacrifício, pra quem nasceu com ele o desafio é uma prova de fogo.

Vivemos em uma era onde o acesso à informação é ilimitado e esse acesso transformou radicalmente a maneira como nós consumimos produtos e serviços.

Antigamente tínhamos uma exposição indireta e passiva em relação às mídias, ficávamos  parados em frente à televisão e a rádio para recebermos informações.

Com a distribuição da internet e o baixo custo de acesso aos smartphones, o acesso às informações se tornou ativo e direto. Ao invés de esperarmos um filme chegar nas locadoras , podemos buscar uma série de filmes para “alugar online” através do ITunes, Google Play ou Netflix.

Poucos médicos perceberam que estas mudanças também transformaram a maneira como os pacientes chegam até o consultório.

Antes e Depois

Antes, o paciente esperava que a solução de um médico chegasse através da mídia tradicional ou de indicação de algum amigo. Nos dias de hoje, o paciente tem o total poder de decisão e escolha. Através do Google e das redes sociais ele procura de maneira ativa pela solução que se encaixa nas suas necessidades.

Ou seja, estar disponível na televisão, na rádio ou até mesmo uma boa localização na sua cidade, não garante que o paciente vai encontrar você.

Mídia Tradicional: custos

Quando falo em mídia tradicional, tenho por definição:

  • Televisão;
  • Rádio;
  • Revistas;
  • Jornais.
  • Outdoor
  • Guias médicos

Dentro destes meios a compra por espaços de publicidade é baseada em alguns conceitos como:

  • Quantas pessoas visualizam o canal diariamente;
  • Quantas vezes ele é impresso;
  • Tempo de veiculação do anúncio.

Se você quer aparecer na rádio, você compra sua aparição por minutos. Quanto mais tempo tem a sua mensagem, mais você paga. Segundo publicação da Jovem Pam FM de 2015, 30 segundos de anúncio na cidade de São Paulo, entre 6h e 21h custam no mínimo R$2.934,00.

Com as revistas e jornais você paga mais se a circulação destes veículos é grande, então a contagem é por impressão. Segundo o Portal Imprensa, um anúncio de página dupla na Revista Veja, impresso somente nas revisas do seu estado custa R$11.500,00. Quando o anúncio é impresso em todo o país os custos definidamente aumentam, pois as impressões do seu anúncio aumentam.

Além dos custos de impressão nestes veículos, você também precisa de uma agência de publicidade para criar os materiais publicitários e negociar o espaço para você.

Neste cenário os custos para anunciar só aumentam, ao mesmo tempo que você também vai demorar mais para ter seus anúncios veiculados.

Mídia Tradicional: alcance

Além da demora e dos custos altos para veiculação, toda a publicidade feita na mídia tradicional é focada em impressão e não segmentação, ou seja, o objetivo do veiculo é levar o seu anúncio para o maior número de pessoas, sem se preocupar se estas pessoas são o público alvo que você como médico quer atingir.

O problema disso é que muitas vezes você acaba atingindo um número enorme de pessoas não interessadas no seu serviço, já que o anúncio é mostrado de forma indiscriminada para todas as pessoas.

E o resultado desse tipo de investimento pode ser muito fraco e também demorar bastante. É comum ver médicos que gastaram milhares e milhares de reais e nem conseguiram recuperar o dinheiro investido.

Mídia Digital: custos

Basicamente as mídias digitais que podemos usar no marketing médicocomo grande impacto e alto retorno são:

  • Site;
  • Perfil no instagram;
  • Página do Facebook do Consultório;
  • Canal no Youtube;
  • Anúncio no google

Dentro destes meios a compra por espaços de publicidade é baseada em alguns conceitos como:

  • Custo por clique;
  • Custo por Aquisição;
  • Custo por Visualização;
  • Click Through Rate (quantidade de cliques no anúncio em relação ao número de exibições).

Se você quer ter seu facebook divulgado para os usuários de Facebook na sua cidade, você vai pagar somente pelas pessoas que clicam no seu anúncio. Ou seja, consequentemente você vai pagar apenas pelas pessoas que clicam e visitam o seu site.

Desta maneira você consegue mensurar exatamente qual foi o impacto do seu anúncio dentro do seu site e, se você utilizar os métodos corretos, também vai entender exatamente quantos pacientes chegaram através da sua campanha.

Mídia Digital: alcance

Diferente da mídia tradicional, a mídia digital é focada na segmentação. É possível escolher exatamente quem você quer que veja o seu anúncio. Dentro do Facebook por exemplo você pode criar campanhas de anúncio somente para mulheres, de 18 até 30 anos, casadas. Desta maneira você vai pagar apenas quando estas mulheres clicarem no anúncio e visitarem o seu site.

Você consegue enxergar o potencial disso para uma ginecologista que precisa se conectar e se posicionar exatamente para este público?

Utilizando a mídia tradicional você pode atingir este público, mas será bem difícil medir exatamente quantas mulheres, de 18 até 30 anos, casadas, ouvir seu spot na rádio ou visualizaram seu anúncio em uma revista.

Conclusão

Mas afinal, por que todo o médico precisa saber a diferença entre estes dois tipos de mídia? 

Em uma mercado competitivo onde os pacientes tem mais poder de escolha para decidir em qual médico vai marcar uma consulta, é essencial que o médico entenda qual é o caminho mais rápido e barato para se posicionar como o médico ideal, que fala a linguagem do paciente e conversa com ele de igual para igual.

A internet não é apenas uma alternativa mas hoje é um caminho sem volta para os médicos que desejam se diferenciar e utilizar o marketing de maneira ética e segura para atrair mais pacientes.

O marketing digital para médicos é uma das melhores maneiras de divulgar os seus serviços. Se o seu potencial paciente não te achar na internet, há grandes chances que ele acabe procurando um outro profissional que sabe usar a internet a seu favor.